n. 31 (2012)


Capa da revista
O IÁTRICO sempre foi antitotalitário. Sempre professou a liberdade individual e a imaginação. Sempre foi cônscio de que onde acaba o sistema legal, viceja a violência. Onde se esquece a ética, predomina a barbárie. Este número, porém, é explícito. Mostra que qualquer sistema polar, à direita ou à esquerda, descamba para a nulidade do indivíduo. Por isso, deixa sua marca indelével pelo convívio dos contrários, pela elaboração dos conflitos, pela paz entre os homens. E a análise que fazemos nos textos que se seguem tem sua síntese no conjunto de mármores e bronzes, denotando a serenidade e o equilíbrio que tanto nos fazem falta. Paz, filha da humildade. Sonho de respeito pelo outro. Belíssima e enigmática, a obra anônima da capa exalta esta reflexão.


ISSN: 2237-9762