Síncope: avaliação cardiológica ou neurológica?

Alcirley de Almeida Luiz, Aiessa Zanchett Fedrigo, Liliãn Cabral Santos, Natália Nicola Thomé, Milena Colombo Bruno, Carlos Alberto Kenji Nakashima

Resumo


OBJETIVO: Analisar dados de pacientes submetidos ao tilt-table test em um centro cardiológico privado, observando o sexo e a faixa etária de maior prevalência de positividade no exame e verificar a porcentagem de pacientes encaminhados pela cardiologia e neurologia para realização do teste de inclinação.

MÉTODOS: No estudo, foram revistos 143 prontuários, sendo 98 pacientes do sexo feminino e 45 pacientes do sexo masculino, com idade entre 6 e 85 anos (média de idade de 45,5 anos), que haviam experimentado algum  episódio de síncope/ pré-síncope e foram encaminhados para a realização do tilt-table test, o qual foi realizado em um centro de cardiologia no período de fevereiro/2005 a junho/2009.

RESULTADOS: Na análise estatística, utilizou-se o Teste Qui-Quadrado, com nível de significância de “p” menor ou igual a 0,05. Houve associação significativa (p<0,05) do tilt-table test para indivíduos com menos de 45 anos e para indivíduos do sexo feminino com menos de 45 anos. Nos prontuários analisados observou-se que 45% dos exames foram solicitados por cardiologistas, 45% por neurologistas e 10% pelos demais profissionais.

CONCLUSÃO: O sexo feminino associado à faixa etária menor que 45 anos e a idade isolada (<45 anos) tiveram significância estatística, determinando o grupo de pacientes com maior prevalência de síncope neuromediada. A investigação inicial de paciente com síncope/ pré-síncope divide-se entre cardiologistas e neurologistas.


Palavras-chave


Síncope vasovagal; Inconsciência; Teste da Mesa Inclinada.

Referências


Brignole M, Alboni P, Benditt DG, Bergfeldt L, Blanc JJ, Bloch Thomsen PE, et al. European Society of Cardiology. Guidelines on management (diagnosis and treatment) of syncope -- update 2004. Europace. 2004 Nov;6(6):467-537.

Blok BK, Newman TM. Syncope. In: Tintinalli JE, Kelen GD, Stapczynski JS, Ma OJ, Cline DM, eds. Emergency Medicine: Comprehensive Study Guide. 6. ed. New York : McGraw Hill; 2004.

Lipsitz LA, Wei JY, Rowe JW. Syncope in an elderly, institucionalized population: prevalence, incidence and associated risk. Q J Med. 1985 Apr;55(216):45-54.

Barbey J. Síncope vasodepressora: diagnóstico e conduta. In: Klein GJ. Síncope. 6. ed. Rio de Janeiro: Interlivros, 1997.

Kapoor WN, Smith MA, Miller NL. Upright tilt testing in evaluating syncope: a comprehensive literature review. Am J Med.1994 Jul;97(1):78-88.

Benditt D, Lurie KG, Fabian WH. Abordagem clínica ao diagnóstico de síncope: uma visão geral. In: Klein GJ. Síncope. Clínicas Cardiológicas. Rio de Janeiro: Interlivros, 1997.

Mateos JCP, Mateos EIP. Epidemiologia e mecanismos fisiopatológicos. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo. 1999;9(2):163-74.

Pimenta J, Valente N. Síncope neuromediada. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo, 1999;9(2):236-43.

Hachul D. Diagnóstico diferencial e abordagem clínica da síncope. Rev Bras Cardiol. 2000;(2):57-63

Simon PR. Síncope. In: Goldman L, Bennett JC. Tratado de Medicina Interna. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

Hachul D. Testes de inclinação seriados para avaliação da eficácia terapêutica da síncope neurocardiogênica. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo. 1999;9(2):252-60.

Kapoor WN. Syncope. New Engl J Med. 2000 Dec 21;343(25):1843-62.

Henderson MC, Prabhu SD. Syncope: current diagnosis and treatment. Curr Probl Cardiol. 1997 May;22(5):242-87.

Junior BLH, Hachul TD. Teste de Inclinação na Síncope. In: Pereira LSM, Souza OF, Maia IG. O Sistema Holter e Outros Métodos nas Arritmias Cardíacas. Rio de Janeiro: Revinter; 2001.

Kapoor WN. Diagnostic evaluation of syncope. Am J Med. 1991 Jan;90(1):91-106.

Sosa E, Scanavacca M, Wu TC, Hachul D. Comparação entre os resultados do teste de inclinação obtidos em diferentes períodos do dia. Arq Bras Cardiol. 2002;79(4):385-394.

Brignole M, Alboni P, Benditt D, Bergfeldt L, Blanc JJ, Bloch Thomsen PE, et. al; Task force on Syncope, European Society of Cardiology. Guidelines on management (diagnosis and treatment) of syncope. Eur Heart J. 2001 Aug;22(15):1256-306.

Manolis AS, Linzer M, Salem D, Ester NA. Syncope: current diagnostic evaluation and management. Ann Inter Med.1990 Jun 1;112(11):850-63.

Hirsch R, Hachul DT. Síncopes neurológicas e psiquiátricas. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo. 1999;9(2):229-35.

Kaufmann H. Síncope: o ponto de vista de um neurologista. In: Klein GJ: Síncope. Rio de Janeiro: Interlivros, 1997.

Fogoros RN. Cardiac arrhythmias. Syncope and stroke. Neurol Clinic. 1993 May;11(2):375-90.

American Heart Association. AHA/ACCF Scientific statement on the evaluation of syncope: from the American Heart Association Councils on Clinical cardiology, Cardiovascular Nursing, Cardiovascular Disease in the Young, and Stroke, and the Quality of Care and Outcomes Research Interdisciplinary Working Group. Circulation, 2006 Apr 11;113(14):e697.

Huff JS, Decker WW, Quinn JV, Perron AD, Napoli AM, Peeters S, Jagoda AS; American College of Emergency Phisicians. Clinical policy: critical issues in the evaluation and management of adult patients presenting to the emergency department with syncope. Ann Emerg Med. 2007 Apr;49(4):431-44.

Framingham Heart Study. A Project of the national heart, lung e blood institute and Boston University [Acesso em 10 Jan. 2014]. Disponível em: http://en.wikipedia.org/wiki/Framingham_Heart_Study


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.