Correlação dos achados clínicos, mamográficos e ultrassonográficos do carcinoma ductal invasivo isolado ou associado a outras neoplasias

Luciana Oliveira Marques, Giovanna Beatriz Nunes Nascimento, Bárbara Aguiar Wiederkehr, Danilo José Munhóz Silva, Douglas Jun Kamei, Fábio Marchini Raimundo Santos, Larissa Maria Macedo, Saruê Brizola Ocampos, Tiele Assis Rikimaru

Resumo


OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi correlacionar os achados clínicos, mamográficos e ultrassonográficos de Carcinoma Ductal Invasivo (CDI) isolado ou associado a outras neoplasias.

MÉTODOS: Análise retrospectiva de 163 prontuários do período de maio/2004 a maio/2009 de uma clínica privada em Curitiba – PR. A amostra foi dividida em dois grupos: A (n=113) - CDI isolado, e B (n=50) - CDI com associações. O diagnóstico foi obtido através do laudo anatomopatológico de pacientes com BIRADS III, IV e V em ultrassonografia e/ou mamografia, submetidos a core biopsy, mamotomia ou PAAF. Os dados coletados foram: idade, etnia, idade da primeira gestação, uso de TRH, antecedente familiar e pessoal de carcinoma de mama e seu grau de parentesco, cirurgia mamária prévia, dados de exame físico, aspecto e localização da imagem e sua classificação segundo BI-RADS. Todos os dados foram submetidos à análise estatística, considerando-se significativo p<0,05.

RESULTADOS: A idade média da amostra foi de 53,4 anos, com predomínio da etnia branca (92,5%). A análise comparativa dos fatores estudados não apresentou diferença significante entre os dois grupos em relação aos dados da anamnese. Houve predomínio significante de lesões serem palpáveis no grupo A e não palpáveis no grupo B (p=0,021). Comparando-se aspectos de imagem, não obtivemos diferenças em relação à presença de nódulos, modificações arquiteturais, calcificações, quadrante da lesão e classificação BI-RADS.

CONCLUSÃO: O CDI isolado apresentou na maioria dos casos lesões palpáveis, e o CDI associado a outras neoplasias, lesões não palpáveis.


Palavras-chave


Neoplasias da mama; Carcinoma Ductal de Mama; Mamografia; Ultrassonografia.

Referências


Instituto Nacional do Câncer (Brasil). Câncer de mama 1996-2009 [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2009. [Acesso em abril de 2009]. Disponível em: http://www.inca.gov.br

Porter PL. Global trends in breast cancer incidence and mortality. Salud Pública Mex. 2009;51 Suppl 2:s141-6.

Simões JC, Gama RR, Winheski MR Câncer estadiamento e tratamento. São Paulo: Lemar; 2008. p.45-8.

Sclowitz ML, Menezes AMB, Gigante DP, Tessaro S. Condutas na prevenção secundária do câncer de mama e fatores associados. Rev Saúde Pública. 2005 Jun;39(3):340-9.

Barros ACSD, Barbosa EM, Gebrim LH. Diagnóstico e Tratamento do Câncer de Mama. Projeto diretrizes. Brasília: CFM; 2001. p.15.

Bergmann A. Prevalência de linfedema subsequente a tratamento cirúrgico para câncer de mama no Rio de Janeiro [Dissertação – Mestrado]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 2000. p.14-142.

Salles MA, Matias MARF, Perez AA, Gobbi H. Carcinoma ductal in situ de mama: critérios para diagnóstico e abordagem em hospitais públicos de Belo Horizonte. Rev Bras Ginecol Obstet. 2006;28(12):721-7.

Vieira DSC, Dufloth RM, Schimitt FCL, Zeferino LC. Carcinoma de mama: novos conceitos na classificação. Rev Bras Ginecol Obstet. 2008;30(1):42-7.

Resende LMP, Matias MARF, Oliveira GMB, Salles MA, Melo FHC, Gobbi H. Avaliação de microcalcificações mamárias de acordo com as classificações do Breast Imaging Reporting And Data System (BI-RADS™) e de Le Gal. Rev Bras Ginecol Obstet. 2008;30(2):75-9.

Quadros LGA. Classificação Bi-Rads para laudos de mamografia. Rev Bras Mastol. 2003;13(4):147.

Breast cancer and hormone replacemente therapy: collaborative reanalysis of data 51 epidemiological studies of 52,705 women with breast cancer and 108,411 women without breast cancer. Collaborative Group on Hormonal Factors in Breast Cancer. Lancet. 1997 Oct 11;350(9084):1047-59.

Brito NMB, Sampaio PCM, Castro AAH, Oliveira MR. Características clínicas de mulher com carcinoma mamário ductal invasivo submetidas à quimioterapia neoadjuvante. Rev Para Med. 2007;21(4):37-41.

Barreto MF, Petrelli ASC, Djahjah MCR, Koch HA. Câncer de mama em mulheres até 40 anos: aspectos radiológicos, clínicos e anatomopatológicos. Rev Imagem. 2006;28(1):1-6.

Kemp C, Petti DA, Quadros LGO, Sabbaga J, Gebrim LH, Assunção MC, Ricci MD. Câncer de Mama – Prevenção Primária. Sociedade Brasileira de Mastologia e Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia. Projeto Diretrizes. Brasília: CFM; 2002. p.1-15.

Pinho VFS, Coutinho ESF. Variáveis associadas ao câncer de mama em usuárias de unidades básicas de saúde. Cad Saúde Pública. 2007 Maio;23(5):1061-9.

Guerra MR, Mendonça GAS, Bustamante-Teixeira MT, Cintra JRD, Carvalho LM, Magalhães LMPV. Sobrevida de cinco anos e fatores prognósticos em coorte de pacientes com câncer de mama assistidas em Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009 Nov;25(11):2455-66.

Schneider IJC, d’Orsi E. Sobrevida em cinco anos e fatores prognósticos em mulheres com câncer de mama em Santa Catarina, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009 Jun;25(6):1285-96.

Milani V, Goldman SM, Finguerman F, Pinotti M, Ribeiro CS, Abdalla N, Szejnfeld J. Presumed prevalence analysis on suspected and highly suspected breast cancer lesions in São Paulo using BIRADS criteria. São Paulo Med J. 2007 Jul 5;125(4):210-4.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.