Perfil epidemiológico das meningites meningocócicas nos útimos 11 anos em Curitiba-PR

Patricia Carla Zanelatto Gonçalves, Anna Luiza Driessen, Bernardo Rosário, Bruna Ramirez Horta, Felipe Patorello Suttile, Fernanda Cristina Wroblevski

Resumo


OBJETIVO: As meningites bacterianas são responsáveis por elevada morbidade e mortalidade. No Brasil, observa-se um predomínio do meningococo como agente etiológico das meningites bacterianas em geral. No ano de 2010 a vacina conjugada meningocócica C foi incluída no calendário vacinal da criança na rede pública de saúde.  O objetivo do estudo é traçar o perfil epidemiológico das meningites meningocócicas (MM) (tipos B e C) nos últimos 11 anos na cidade de Curitiba-PR, bem como avaliar o possível impacto da implantação da vacina conjugada meningocócica C no calendário vacinal sobre o nÚmero de casos de meningite C na cidade de Curitiba.

MÉTODOS: Estudo observacional epidemiológico descritivo em série histórica. Foram inclusos no estudo todos os casos confirmados de meningite meningocócica na cidade de Curitiba-PR registrados no Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN), no período de janeiro de 2001 a dezembro de 2012. As variáveis analisadas foram: sexo, idade em anos completos, vacinação, sinais e sintomas, punção lombar, aspecto do líquor, sorogrupo, critério de confirmação, e evolução do caso.

RESULTADOS: Entre 2001 e 2012 foram notificados 134 casos de MM em Curitiba-PR. Aproximadamente 44% dos casos ocorreram em crianças menores de 5 anos de idade. Dos casos em que o sorogrupo foi identificado, 61% pertenciam ao sorogrupo B. Apenas 5 pacientes evoluíram para óbito.

CONCLUSÃO: Curitiba apresenta uma incidência elevada de casos de meningite meningocócica. O perfil mais prevalente foram crianças menores de cinco anos e do sexo masculino, e os principais sintomas apresentados foram vômito, febre e rigidez de nuca. Entretanto, não foi possível verificar o impacto vacinal pela alta taxa de ignorados nesse campo. Além disso, são necessários mais estudos para avaliação do impacto da vacinação, uma vez que sua implantação ainda é muito recente para avaliar esse dado.


Palavras-chave


Meningites bacterianas; Meningite meningocócica; Vacinas meningocócicas; Vacinas conjugadas.

Referências


Faria SM, Farhat CK. Meningites bacterianas: diagnóstico e conduta. J Pediatr (Rio J). 1999;75(Supl.1):S546-56.

Vieira JFS. Incidência de meningite em pacientes de 0-12 anos no Instituto de Medicina Tropical de Manaus. Arq Neuropsiquiatr. 2001 Jun; 59(2-A): 227-9.

Ministério da Saúde (Brasil). Meningites [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. [acesso em 04 jun 2012]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1563

Mantese OC, Hirano J, Santos IC, Silva VM, de Castro E. Perfil etiológico das meningites bacterianas em crianças. J Pediatr (Rio J). 2002 Nov-Dez;78(6):467-74.

Ministério da Saúde (Brasil). Guia de vigilância epidemiológica. 6ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Ministério da Saúde (Brasil). Meningite por meningococo: casos confirmados por UF e Região [Internet]. Brasília: MS; 2012 [acesso em 04 jun 2012]. Dispnível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/tabela_dm_para_site_08_11.pdf.

Mendonça F, Paula EV. Meningites no estado do Paraná: uma leitura geográfica. R RA´E GA. 2008;14:127-43.

Bricks LF. Doenças meningocócicas – morbidade e epidemiologia nos últimos 20 anos: revisão. Pediatr (São Paulo). 2002;24(3/4):122-31.

Takemura NS, Andrade SM. Meningite por Haemophilus influenzae tipo b em cidades do estado do Paraná, Brasil. J Pediatr (Rio J). 2001 Set-Out;77(5):387-92.

Simões LLP, Andrade ALSS, Laval CA, Silva SA, Martelli CMT, et al. Impacto da vacinação contra o Haemophilus influenza b na redução de meningites, Goiás. Rev Saúde Pública. 2004;38(5):664-70.

Bradbury J. New meningitis C vaccine to be used in UK. Lancet. 1999;354:310.

Paula EV. Evolução temporo-espacial das meningites do estado do Paraná ao longo do século XX: Abordagem climatológica. In: Anais do XI SBSR; 10 abril 2003; Belo Horizonte. INPE; 2003. p. 1415 – 22.

Boletim Epidemiológico Paulista [Periódico na internet]. Maio 2004 [acesso em 10 Nov 2012];1(5). Disponível em: http://www.cve.saude.sp.gov.br/agencia/bepa5_bact.htm.

Ministério da Saúde (Brasil). DATASUS por dentro 2.0 [internet]. Brasília: MS; 2012 [acesso em 10 Nov 2012]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php.

Nunes CLX, Leal ZL, Marques O, Marques DL, Carvalho M. Deletar e col. Prevalência de sorogrupos de Neisseria meningitidis causadores de doença meningocócica no estado da Bahia de 1998 a 2007. Rev Baiana de Saúde Pública. 2011 Jul-Set;35(3):676-86.

Moraes JC, Barata RB. A doença meningocócica em São Paulo, Brasil, no século XX: características epidemiológicas. Cad Saúde Pública. 2005 Sep-Oct;21(5):1458-71.

Vasconcelos SS, Thuler LCS, Girianelli VR. Incidência das Meningites no Estado do Rio de Janeiro no período de 2000 a 2006. Rev Bras Neurol. 2011;47(1):7-14.

Rogerio LPW, Camargo RPM, Menegali TT, Thizon T, Silva, RM. Perfil epidemiológico das meningites no sul de Santa Catarina entre 1994 e 2009. Deletar Ver Rev Bras Clin Med. 2011 Mai-Jun;9(3):200-3.

Van de Beek D, de Gans J, Spanjaard L, Weisfelt M, Reitsma JB, Vermeulen M. Clinical features an prognostic factors in adults with bacterial meningitis. N Engl J Med. 2004 Oct 28;351(18)1849:59.

Milagres LG, Melles CEA. Imunidade conferida por vacinas anti-meningocócicas. Rev Saúde Pública. 1993;27(3):221-6.

Tunkel AR, Scheld WM. Pathogenesis and Pathophysiology of Bacterial Meningitis. Clin Mirobiol Rev. 1993 Apr;6(2):118-36.

Boletim Epidemiológico de Curitiba [Periódico na internet]. Dez 2008 [acesso em 20 Jun 2012];19. Disponível em: http://www.saude.curitiba.pr.gov.br/images/vigilancia/arquivos/epidemiologica/boletim/boletim_epidemiologico_007.pdf


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.